Breve novo OX na periferia. Procurem no Catarse e apoiem. Aguardem

Captura de Tela 2015-01-04 às 05.05.06 PM

Image | Posted on by | Leave a comment

“Se a política atual tem se deslocado das ruas para as redes sociais, a arte, cujo lugar de vocação era o museu ou a galeria, tem procurado a cidade” Katia Canton

Glamurama

Posted in Uncategorized | Leave a comment

Canal Contemporaneo

Posted in Uncategorized | Leave a comment

mapa das artes

Posted in Uncategorized | Leave a comment

“Se a política atual tem se deslocado das ruas para as redes sociais, a arte, cujo lugar de vocação era o museu ou a galeria, tem procurado a cidade”

Imagine a cena. No espaço congestionado e barulhento da metrópole, nada parece resistir ao movimento compulsivo da vida. Executivos de terno e gravata correm com suas pastas na mão, junto aos esportistas de roupas de ginástica, que também correm nas calçadas. Esses entremeiam-se a crianças nos carrinhos, empurradas por babás, a velhos, deslocando-se devagar, e ao grupo de mulheres conversando e andando. Juntos, esses personagens compõem uma dança sincopada de batidas de sapatos, que nunca param de criar uma percussão no chão das ruas. Somam-se a eles, os pedintes, que andam, param, pedem e continuam, e aos motoristas de táxis, que ora chegam, ora evadem o ponto, num fluxo contínuo.

Essa legião de anônimos, esse mundo de aglomerados que se movimentam é, afinal, o nosso próprio espelho, refletindo-se em suas múltiplas facetas.

Dialogar com esse espaço é também compor uma tapeçaria sonora, visual e tátil, vislumbrando a diversidade de seus habitantes, de sua arquitetura, de sua sinalização, de seus códigos cotidianos. Conversar com tudo isso é, afinal, abraçar o estranhamento.

Se o espaço é o local genérico do anonimato, o lugar se refere a uma noção específica do espaço: trata-se de um espaço particular, familiar, responsável pela construção de nossas raízes e nossas referências no mundo

A ação artística busca localizar o espaço, tornando-o lugar.

Por fim, não podemos deixar de mencionar a potência da arte diante dos dilemas enfrentados pelos lugares públicos hoje. Parques, praças, igrejas, que deveriam ser de todos, vêem-se abandonados, mal tratados, sujos, ignorados, sucateados, diante de uma constante violência, ainda que potencial. Ao invés de lugar de todos, passam a ser lugar de ninguém. Tem seu uso abandonado pelo medo ou é deixado à deriva, à sombra da solidão urbana.

O desejo dos artistas contemporâneos em dialogar com os locais públicos da cidade, a exemplo do que faz o grafite e do que também propõem os participantes da Ocupação Oxigênio, é o de trocar formas e afetos com a cidade, reapropriando-se do que deveria ser público, carimbando espaços de ninguém com singularidades que lhe proporcionem pertencer, ganhar um rosto, receber o status de lugar.

Katia Canton


Posted in Uncategorized | Leave a comment
Posted in Uncategorized | Leave a comment

Oxigênio 2011 / Abertura 18 de Set 11h – 30 de Set

Posted in Uncategorized | Leave a comment